sábado, 16 de maio de 2009

irrevogável amor



E nem que e lua desemparelhe as marés
revogue o reflexo à luz do Sol
eu não irei deixar de brilhar teu olhar nos meus olhos
já não posso voltar
já não há caminho de volta - a ponte só teve essa utilidade
agora ela está nos meandros de um penhasco superado
Já não tenho avesso - e se viro o avesso, ali está vocêu
E a chuva tem um sabor novo a cada dia
O banho tem um cheiro - cheiro que já existia e que agora
expande, percorre-me totalmente
D'Sol a Lua =D

Meu acordar é um (play) musical ..
quando vem uma vontade inesperada de dizer
crio o que já existe, oui, exatamente o que ia dizer =):
"Descobri que te amo demais...
descobri em você minha paz
descobri sem querer a vida, Verdade!" =)
- Verdade Martinho, verdade =D

Co-existir, co-autor =D

E sinto o sabor de fruta mordida (maçâ) que Cazuza canta...

Um comentário:

Fernanda disse...

Poète,
Je dit la même chose...
Merci pour tout... por la vie que aujord'hui c'est meuller avec toi... que ça commence avec toi...
ta mots sont vie... toujour!!!