terça-feira, 27 de janeiro de 2009



Instinto

Largar tudo e ir para o mato
Viver da caça e do pescado
Cruzar com a onça sem mau olhado
Nadar no rio despreocupado

Homem:
originário do mato;
transladado pro asfalto
Homem:
amador de todos;
odiado por muitos

Voltar para o berço
pra origem, pro habitat
hoje é insano;
uns diriam até profano

Se acabar pra ganhar papel-moeda
Gastar tudo nas ruelas é homem-feliz!
É gente!

Natureza agora fica no jardim,
nos fins de semana,
nos zoológicos,
nas jaulas.

Éder Carneiro Cardoso e Silva

Um comentário:

Leo Mota disse...

Quem disse que o bicho-homem não pode ser romântico?!! hahaha... Apesar de querer o mato só pra um "fugere urbem" efêmero... a idéia é universal...